Absurdamente baqueada!

Baque_Ellen_Costa

AvatarWritten by: Baque Destaque Literatura Resenha de Livros

Preciso dizer, antes de mais nada, que os livros que tenho lido nos últimos tempos só têm soltado bombas sobre a minha cabeça. Desse jeito, meu coração não aguenta.

Como uma primeira experiência de leitura em thriller psicológico, “Baque” foi arrebatador. Espero que as próximas leituras sejam tão boas quanto. Antes de iniciar as minhas impressões sobre essa obra maravilhosa, que deu vários nós na minha cabeça e me deixou numa roda gigante de sentimentos, vamos à sinopse dela.

Com o desaparecimento da professora universitária Débora, de 34 anos, inicia-se uma intensa investigação indicando que ela fora embora deliberadamente ao abandonar a vida feliz e estável que possuía com o marido, Carl. Este não se conforma com as revelações que surgem, pois atestam o quão pouco conhecia a própria esposa.

Enquanto isso, Débora retoma lembranças de sua juventude e de um segredo escondido que parece ter ressurgido das cinzas como uma dívida a ser paga.


À medida que Carl, a família e a própria polícia se surpreendem com as descobertas do presente, o que poderá acontecer se o passado de Débora for ainda pior?

Você tem coragem de descobrir a verdade?”

Essa chamada me fez lembrar de uma frase que li de um livro da autora Lori Nelson Spielman que gostei demais. Ela diz: “Até que despeje luz sobre aquilo que o envolve em escuridão, você estará sempre perdido”.

“Baque” é uma história super comovente sobre uma bonita amizade de cinco amigos de infância que acabam tomando rumos divergentes por conta de um trágico acontecimento do passado. É a partir dessa premissa que a história se desenvolve. “Baque” é um livro que consegue construir um clima absolutamente tenso e intrigante em muitos momentos e trabalha numa ameaça psicológica iminente, que não para. A forma como a autora intensifica os acontecimentos é de impressionar. E ainda assim, ela consegue manter um clima terno concomitantemente. Isso me fascinou.

A autora expõe temas como alcoolismo, dramas familiares, e discorre sobre outros assuntos que nos levam a uma forte reflexão, super necessária em relação ao nosso posicionamento diante de um problema familiar e social que continua sendo um tabu.

Personagens em tensões permanentes e diálogos muito bem construídos. Além disso, a história é construída de forma angustiante e isso nos faz ficar grudadas o tempo todo.

Trazendo lembranças indesejadas e desespero constante, a autora apresenta uma trama bem costurada, tão bem costurada que engana o leitor (enganou a mim). Confesso que fiquei confusa em alguns momentos. E a forma como Ellen Costa sustenta o  suspense  do início ao fim, para que a tensão chegue ao leitor e para que assim ele não seja capaz de desgrudar da obra antes de ter suas perguntas respondidas, é muito bom. No entanto, é possível perceber algumas pistas e se deixar conduzir pelo enredo sensacional.

Gostei muito da aprofundada que a autora criou, não só nos momentos de conflitos, como em situações simples também. A riqueza de detalhes com relação aos personagens foi de arrebatar qualquer leitor, principalmente da protagonista Débora. Ela é uma mulher frágil, mas uma fortaleza ao mesmo tempo.

Podemos perceber isso quando o passado bate à sua porta e ela se vê obrigada a enfrentar os próprios fantasmas adormecidos; a protagonista embarca numa jornada um tanto perigosa que a levará a zonas obscuras, mas que também revelará as possibilidades de recomeçar, de perdoar, de se libertar e de dar uma nova chance para si mesma.

Leia Também de Paula Jones:
Artigo: Existem três tipos de pessoas: as de cima, as de baixo e as que caem
Vivendo a crise dos 30. “Aceita” que dói menos!
De volta para casa: reflexões de uma ex-moradora da metrópole

Sobre os personagens 

O que dizer de Carl, o marido? Não há como negar que me sensibilizei muito com ele. Perceber o quanto sofreu com o desaparecimento da amada e de como se culpava por de certa forma não entender o fato de ela ter desaparecido sem ao menos ter uma explicação plausível para isso, considerando que eles tinham uma vida feliz e estável. Sofremos juntos Carl!

E quanto à batalhadora Sol, que estava exposta ao sofrimento de sua infância e levou isso à fase adulta, com marcas intensas na alma e diante de tantos acontecimentos penosos, e ainda assim, soube lidar com seus medos? E até mesmo com o sentimento de culpa e com a possibilidade de recomeçar.

Há uma parte no livro que nos deixa totalmente no chão e nos fazem roer as unhas de tanta tensão e emoção. Claro que não vou expor para não dar spoilers, mas aviso logo: prepare o lenço!

É um tipo de enredo que quando você acha que está conseguindo decifrar o que está acontecendo, quem você está pensando ser culpado ou inocente, de repente vem uma nevasca e leva todas as conclusões aparentemente corretas.

Para quem está em busca de uma história não linear cheia de drama, suspense, romance e com saltos, antecipações, retrospectivas, rupturas e um enredo envolvente, super recomendo essa leitura fluída e viciante!

Agora só me resta aguardar pela próxima história de Ellen Costa, que com certeza nos encantará.

Para saber mais sobre a obra, confira o book trailer:

Gostou da resenha? Deixe um comentário abaixo. Compartilhe com seus amigos.

(Visited 45 times, 1 visits today)
Tags:, , , , , , , , , , Last modified: setembro 18, 2020