O último beijo

Juh OliveiraWritten by: Crônicas Destaque Literatura

Texto de autoria da leitora Valéria Vanda Xavier Nunes, professora e escritora. Membro da ALCG

Aquela foi uma manhã que certamente seria diferente da maioria das manhãs. Seria uma manhã de tristeza, certamente. Acordei cedo. Precisava cumprir um dever cristão de solidariedade para com uma amiga querida que dali a algumas horas estaria despedindo-se para sempre de seu amado. De seu marido, pai de seus filhos e avô de seus netos.

Chegamos ao velório, eu e meu marido. Como sempre, aquelas eram ocasiões que me deixavam entristecida, me faziam pensar nos meus próprios entes queridos que já não se encontram neste plano, além de pensar também na efemeridade da vida.

Fez-me pensar em como somos frágeis e tolos. Em como nos preocupamos tanto com as coisas da vida terrena: acumular bens, passeios, festas e quase nunca paramos para refletir sobre a passagem do tempo, sobre a vida verdadeira que é a que começa quando partimos.

Só pensamos um pouco quando nos encontramos diante dela: da “Indesejada das gentes – Ela, a Morte”. Ela que é transgressora, que não avisa quando vai chegar. Ela com quem lutamos, guerreamos, nos escondemos, mas ela está sempre à espreita. Pronta pra levar em seus braço sombrios aqueles que amamos, deixando em nossos corações um vazio que jamais será preenchido.

Ela, a inevitável: A Morte. Única certeza que temos na vida mas que nunca queremos falar sobre ela, e quando falamos é sempre com ironias, com humor, com brincadeiras, como se ela nunca viesse nos buscar.

Leia também sobre o trabalho de Valéria Xavier:
Resenha do livro “Marcas de um tempo” de Valéria Xavier

Pois então, estava eu ali, procurando a minha amiga em meio a todas aquelas pessoas: parentes e amigos que também vieram prestar as últimas homenagens ao nosso querido amigo.

Finalmente, meus olhos a encontram. Cabisbaixa, soluçante e triste ao lado do belo caixão onde repousava para sempre seu amado marido de tantos anos. Como foi doloroso apertá-la em meus braços e sentir seu corpo trêmulo e seu semblante tão torturado pela dor da perda. 

Vi seu rosto triste, molhado de lágrimas que teimavam em escorrer pela sua face. Uma face onde o vislumbre de uma grande saudade já estava presente, e, certamente, já começava a tomar seu coração a partir daqueles momentos de despedida tão sofrido.

Nos abraçamos, nos consolamos, rezamos. Era o que nos restava a fazer naquele momento. Minha amiga enfim, debruçou-se sobre o caixão e depositou nos lábios frios de seu amado o seu último beijo.

Que Giovani descanse em paz!

Certamente Deus, em Sua infinita misericórdia, já reservara um lugar especial para ele.

Valéria Vanda de Xavier Nunes é escritora independente, autora de quatro livros publicados: Retalhos de uma vida, A saga de sete mulheres, Entre uma coisa e outra e Marcas de um tempo. O seu quinto livro “Ensaio sobre a mulher contemporânea” está no prelo em vias de ser lançado após a pandemia. Seu mais recente projeto é o livro Onde tudo é passado, disponível na Amazon. Para ter acesso, clique aqui.

Gostou da Crônica? Deixe um comentário abaixo e compartilhe com amigos.

(Visited 25 times, 1 visits today)
Tags:, , Last modified: fevereiro 1, 2021
Juh Oliveira

Juh Oliveira (Ellen Costa) é jornalista e escritora. Apaixonada por ouvir e contar histórias. Autora de "Baque: você tem coragem de descobrir a verdade?", thriller psicológico disponível em e-book na Amazon. Idealizadora do Arte de Escrever. Instagram @ellencostaescritora