18/06/2013 15:56 - Atualizado em 19/06/2013 10:54

Seu favorito

Mais atos de amor, por favor! Pratique-o nas atitudes e nas gentilezas

Aretha Lima acaba de assoprar mais uma velinha e nos presenteia com um desabafo reflexivo sobre a mão que lhe foi estendida. Vamos a ele?

Jucelene Oliveira
Jucelene Oliveira
Arte de Escrever
Dia da Amizade: comemorado todos os dias

Texto de autoria da Leitora!

'Mais amor, por favor'!

Já li tanto essa frase nas redes sociais que para mim se tornou clichê, principalmente quando quem escreve não pratica essa teoria. Eu prefiro as ações, ou melhor, as demonstrações de amor. Não estou falando do amor romântico (não só dele), falo de toda forma de amar, o que inclui fraternidade, generosidade, solidariedade e uma infinidade de outros sentimentos. Se o amor é soberano esses outros bons sentimentos não podem existir sem ele.

Recentemente fui presenteada com uma demonstração linda de solidariedade e generosidade de quem menos esperava, ou melhor, de quem eu nem sequer conhecia. Fiquei surpresa e pensei: Caramba! A humanidade ainda tem jeito!

Depois dos dias tristes que vivi, recebi o carinho de alguém que não conhecia, mas que se colocou no meu lugar e se solidarizou com a minha dor. Ufa! Por um momento desconfiei. Quem nos dias de hoje está acostumado a receber um carinho gratuito? Não me lembrava de que ainda existiam pessoas assim. Que bom que eu estava errada! Eu adoro me surpreender com esse tipo de coisa...

Nesses momentos lembro-me da 'corrente do bem'. Você faz algo bom para alguém e isso volta pra você. Seria bom se praticar o bem fosse um exercício frequente; colocar-se no lugar do outro, sentir sua dor, sua angústia e oferecer uma palavra amiga fosse algo rotineiro.

Mas, quer saber? Para mim é assim. Tento levar isso ao máximo da minha realidade, porque realmente acredito que todo bem que plantamos, colhemos ou colheremos. E essa pessoa que me fez o bem, de todo o coração espero que receba o bem, porque foi em um gesto despretensioso que ela conseguiu plantar o amor e me fez querer o bem a outras pessoas. Fortaleceu-me para que eu pudesse ser a fortaleza de outros e me fez enxergar o copo meio cheio quando a maioria das pessoas prefere se lamentar e ver pela ótica do copo meio vazio.

Falta positivismo, falta querer bem, falta fazer o bem, se importar com o outro, olhar para o outro e perguntar: 'Você está bem?' Mas não apenas para iniciar uma conversa breve, mas perguntar por realmente querer saber...

Mas se antes eu não tinha esperança na humanidade, hoje, ao menos, tenho certeza que ainda existem bons seres humanos vagando por ai. E isso é bom...

Confira abaixo a música 'Pais e Filhos' da Legião Urbana.

Deseja ser um colaborador do Portal? Escreva para contato@artedeescrever.com.br e saiba como.

Comentários

Relacionadas

Publicidade

Facebook