16/05/2013 14:55 - Atualizado em 18/07/2016 11:27

Críticas

Conheça um pouco da política externa norteamericana exportada para o Brasil

Os filmes 'Alô, amigos!', de 1942, e 'Você já foi à Bahia?', de 1944, produzido pelo estúdio Disney fizeram uso das técnicas mais avançadas para suas produções

Jucelene Oliveira
Jucelene Oliveira
Arte de Escrever
Filme Alô, Amigos! de 1942

Os filmes de animação no Brasil têm cada vez mais sido consumidos pelo público jovem e infantil nos últimos anos. E para quem pensa que a animação no cinema é algo recente e inerente aos últimos avanços tecnológicos, se surpreenderá com produções que já faziam uso de recursos de extrema qualidade na década de 40. 

Para citar dois casos, os filmes 'Alô, amigos!', de 1942, e 'Você já foi à Bahia?', de 1944, produzido pelo estúdio Disney fizeram uso das técnicas mais avançadas para suas produções. O investimento realizado nesses filmes foi equivalente ou até maior do que gastos com filmes de longa metragem não animados produzidos na época.

Em 1944, o estúdio Disney lançou o longa-metragem, 'Os Três Cavalheiros', que no Brasil recebeu o título 'Você já foi à Bahia?'. O filme, produzido sob encomenda pelo Governo Americano para ser exportado para a América Latina, sobretudo no Brasil, apresenta as personagens Zé Carioca, Pato Donald e Panchito, três representantes do esforço norteamericano em ganhar aliados nos países da América Latina. Vale lembrar que nesse período o mundo inteiro passava pela Segunda Guerra Mundial e que havia uma divisão política de guerra, separada em dois grupos: os Aliados (Inglaterra, URSS, França e Estados Unidos) e o Eixo (Alemanha, Itália e Japão).

Ao contrário do filme 'Alô, Amigos!', que com o auxílio de um narrador mescla animação e documentário para expressar uma missão de reconhecimento pela América do Sul, em 'Você já foi à Bahia?', as histórias são contadas de forma contínua. Em seu aniversário Donald recebe vários presentes e, à medida em que os abre, conhece lugares e culturas. As duas histórias iniciais agem como introdução. A primeira fala do pinguim Paulinho que quer ir embora do Polo Sul para morar num lugar quente e com muito sol, uma referência à imagem estrangeira que se tem dos países sul americanos. Quando Paulinho consegue realizar seu sonho, novamente fica insatisfeito e sente saudades do Polo Sul. Além de exemplificar a instabilidade humana, esse trecho da narrativa explica um sentimento tipicamente brasileiro, a saudade, ao mencionar a palavra no final do filme.

Filme Você já foi à Bahia? de 1944

Já a segunda história é de Gauchito. Aqui há a figura de um garoto e seu burro voador e a identificação do povo latino com as personagens fica reduzida a estereótipos. O argentino é representado pelo vaqueiro gaúcho, aventureiro e corajoso, o que nos faz entender que tais características resumem o olhar americano sobre seus vizinhos latinos, sem a intenção de talvez observar as diferenças culturais. Após abrir o próximo presente, Donald reencontra Zé Carioca, que lhe pergunta: - Você já foi à Bahia?. 

Em seguidaambos embarcam em um trem e fazem uma viagem pela Bahia. Da viagem do Rio de Janeiro à Bahia, apenas florestas são exibidas como se mais nada houvesse no país. Pode-se dizer que nesse filme, o contexto cultural e geográfico não alcançou grandes amplitudes, ficando limitado apenas em retratar a flora e a fauna do percurso.

A viagem feita por Donald e Zé Carioca mostra uma Bahia contraditória. No musical Os quindins de Yayá há uma baiana, interpretada por Aurora Miranda – irmã de Carmen Miranda – que vende doces e não acarajé, além de ter trajes modernos, sensuais e estilizados. Porém, o que mais chama a atenção é a presença de malandros cariocas, representados pelo grupo Bando da Lua, que cantam, dançam, jogam capoeira e cortejam as jovens baianas, evidenciando a musicalidade e malícia brasileiras. No filme contracenam atores com desenhos animados.

A figura do homem brasileiro se restringiu à retratação do malandro carioca, de uma forma também estereotipada. Essas imagens generalizadas e equivocadas do Brasil refletem uma característica do cinema americano. Mesmo com a intenção de aproximar os países e culturas, os filmes eram produzidos para atender a expectativa de consumo americano, por isso, a imagem da baiana é americanizada.

A relação de amizade é evidenciada no filme por meio da ideia de que a Bahia é um presente do Brasil para Donald, que representa os Estados Unidos. Ou seja, os Estados Unidos ganham de presente a amizade brasileira e considerando que o país buscava exportar seu jeito americano para a América Latina, nada mais propício essa aproximação. No musical em que os três se reúnem, a canção demonstra o tipo de relação estabelecida entre os três países: com chuva ou sol nossa amizade não deixará de existir. 

A música completa dizendo: exceto por uma bela mulher, aí é cada um por si. Porém, é apenas para que ao final haja a constatação que nem mesmo uma mulher é capaz de abalar essa amizade, já que Donald, dividido entre as mulheres e os amigos, opta por ficar com seus amigos, meio que reafirmando que a amizade sempre prevalece. Nesse filme é possível perceber o esforço em aproximar as três nações e fica claro o quanto Brasil e o México eram importantes para os Estados Unidos.

Colaboradoras do texto: Aretha Lima, Gislaine Reis, Karina Cavalcante e Natália Inácio

Deseja ser um colaborador do Portal? Escreva para contato@artedeescrever.com.br e saiba como.

Comentários

Relacionadas

Publicidade

Facebook