Resenha: “Apenas uma vez”: quantas vezes você encontra a pessoa certa?

Filme Apenas uma vez. Foto: Divulgação.

Relações amorosas mal resolvidas, uma amizade inesperada e algumas belas e sensíveis canções – revelando sentimentos de frustração, dor, desabafo e redenção – compõem o enredo vivido pelos personagens de Glen Hansard e Markéta Irglová no filme irlandês “Once” de 2006, no Brasil “Apenas uma vez”, escrito e dirigido por John Carney.

A história se passa em Dublin, na Irlanda, e é estrelado pelos músicos Glen Hansard (da banda de rock irlandesa “The Frames”) e Markéta Irglová (compositora e instrumentista nascida na República Checa). Carney é escritor e diretor de TV, especializado em filmes independentes de baixo orçamento. “Apenas uma vez” foi sua primeira produção e teve um orçamento de apenas 130.000 euros (R$ 652 mil reais aproximadamente). Apesar do baixo custo, foi muito bem sucedido, tornando-se um sucesso de bilheteria nos Estados Unidos.

Os protagonistas não têm nomes, o que é algo peculiar e interessante na narrativa. Eles se conhecem por acaso, se relacionam sem nenhuma pretensão aparente, estabelecem uma bonita amizade (que mais tarde se transforma numa paixão delicada), mas o expectador só os reconhece por aquilo que os une com tanta força: a música. Além de olhares e sorrisos tímidos que também dizem muito do relacionamento que está sendo construído entre os dois.

Os dois músicos não são atores e isso faz com que a produção se torne mais convincente para o público. Como músicos, a dupla não deixa a desejar e em relação à interpretação, demonstram simplicidade e entusiasmo.

Filme Apenas uma vez. Foto: Divulgação.
Filme Apenas uma vez. Foto: Divulgação.

E para quem está acostumado a assistir grandes produções, o filme causa certo estranhamento pelo “desleixo” e pelo choque da câmera, sempre na mão ou no ombro, que enquadra os atores em cena. Ela os segue e os visualiza por trás do vidro do restaurante onde almoçam e pela caminhada em direção à casa de Hansard e Irglová, algo bastante corriqueiro.

O personagem vivido por Hansard é um músico criativo, mas inseguro de seu talento. Ele trabalha com o pai numa modesta loja de conserto de eletrodomésticos e dorme num quarto pequeno, que comporta uma cama, uma TV e um armário. Nos momentos vagos, canta para as pessoas que passam pelas ruas de Dublin em busca de alguns trocados e um pouco de conforto ou alento emocional . Alguns ouvem; outros, apenas passam por ele sem percebê-lo ali, como se a música fosse um som ambiente. Durante o dia, interpreta canções famosas paa ser “mais notado” e à noite se arisca ao cantar suas próprias composições, em busca da catarse que elas lhe trazem.

Numa noite fria e quase solitária, ao expor uma canção própria carregada de sentimentos que o perturbam, depara-se com uma bela jovem tcheca ouvindo-o atentamente. Ela fica encantada, aplaude o trabalho do artista, fica curiosa pela autoria e pela fonte de inspiração da canção e, a partir dali, a vida de ambos ganha um pouco mais de sentido.

A bela jovem é vendedora de flores durante o dia, mora com a mãe e a pequena filha num apartamento humilde, faz serviços domésticos nos dias vagos. Ela também toca piano divinamente bem – o elo que vai aproximar o casal imediatamente.

Seria basicamente a história de um homem desiludido ou frustrado com o amor, que canta e toca violão nas ruas frias e movimentadas de Dublin para ter algum conforto, se aquele despretensioso encontro não tivesse mudado o destino de ambos. Nasceu ali uma amizade desinteressada e sincera, cheia de companheirismo e muito motivadora.

Com o passar dos dias, a amizade ganha uma colaboração musical imprescindível. A primeira cena em que tocam juntos, numa loja de instrumentos musicais – apresenta ao público a sensibilidade que o filme irá propor adiante. É emocionante a cena! Confiram abaixo:

A dupla mostra – em forma de ensaio – o que ainda está por vir. Hansard assume voz e violão e Irglová mostra seu talento no piano e back vocal. Eles ensaiam juntos a canção “Falling Slowly”, que mais tarde venceria o Óscar de melhor canção original, sendo também indicada ao Grammy de 2008.

Com o passar dos dias, a dupla vai desvendando os mistérios um do outro. O que o casal de amigos tem em comum, além do grande amor pela música, são dois corações dilacerados, com forte receio de uma nova descoberta para o amor.

Filme Apenas uma vez. Foto: Divulgação.
Filme Apenas uma vez. Foto: Divulgação.

Em alguns momentos, o expectador se vê diante de um vídeo clip, sobretudo no momento em que Irglová caminha da loja onde foi comprar pilhas até sua casa, tentando encontrar uma letra para a música que Hansard lhe dá. Uma bela noite é o pano de fundo para a composição de uma bela canção. A caminhada da personagem faz com que o público participe da emoção de unir duas partes, de criar uma composição.

Com a ajuda de alguns músicos de rua, a dupla grava as canções num estúdio. Ao término da primeira gravação, o responsável pelo local fica impressionado e pergunta “Foi você quem compôs?”

Filme Apenas uma vez. Foto: Divulgação.
Filme Apenas uma vez. Foto: Divulgação.

Com exceção de apenas uma, Hansard e Irglová compuseram e executaram todas as canções originais do filme, que recebeu ótimas críticas e prêmios em 2008, como o Independent Spirit Award por melhor filme estrangeiro.

Abaixo o trailer:

Deixe uma resposta